NOSSA HISTÓRIA

Especializada na área de treinamento com arma de fogo, a Escola de Tiro .38 foi fundada em abril de 1992 pelo então delegado de polícia TIM OMAR DE LIMA E SILVA, referência no país em treinamento de tiro policial e combate urbano. Em 1995 foi fundado o Clube de Tiro Ilha Norte – que foi parceiro da Escola .38, fruto de uma necessidade do mercado, carente de um espaço profissional e com atendimento diferenciado, que pudesse fomentar tanto o esporte, bem como uma atividade de lazer. A Escola de Tiro .38 trabalhou em parceria com o Ilha Norte até 2002.

A Escola é pioneira em Santa Catarina e abriu caminho para o desenvolvimento do segmento, bem como impulsionou o tiro esportivo como modalidade. Depois de 10 anos instalada em Florianópolis, foi fundado o Clube de Tiro .38, anexo a Escola .38, que atualmente está sediada no bairro Campinas, em São José. É administrada pelos filhos do fundador, RAFAEL CASANOVA HOERHANN e TONY EDUARDO DE LIMA E SILVA HOERHANN, que dão continuidade à tradição de cinco gerações da família com envolvimento direto na instrução e uso de armas para combate e lazer.

 

TONY e RAFAEL em curso de aperfeiçoamento tático com duas armas: operador de pistola e submetralhadora

A empresa realiza sistematicamente cursos, treinamentos e eventos com foco em seu segmento, além da prestação de serviços diferenciados como consultoria em segurança para pessoa física e jurídica e assessoria jurídica.

Os cursos são supervisionados pelo especialista de tiro e em segurança, TIM OMAR DE LIMA E SILVA e ministrados por profissionais do .38, capacitados para tal função, bem como por especialistas de renome da área, tanto nacionais, quanto internacionais. Nesta linha, TONY viaja com frequência, principalmente para os Estados Unidos e Ásia, sempre em busca de aperfeiçoamentos e atualizações, bem como ministra cursos, tanto para forças especiais, quanto para praticantes de tiro e jiu-jitsu. Esse relacionamento estabelecido fortalece a empresa e dá ainda mais respaldo às atividades desenvolvidas.

Uma família e uma grande história

A história da família está intimamente ligada com a história do Brasil. Dentre os familiares, destaque para FERDINAND BRANDON, um cavaleiro cruzado da Normandia que serviu em Portugal na guerra contra os mouros, durante a Segunda Cruzada no século XII. Brandon é ancestral de JOSÉ JOAQUIM DE LIMA E SILVA, pertencente a Ordem de Avis, fundada por cavaleiros cruzados lusitanos, cujas mãos se calejaram combatendo os muçulmanos. Seu filho, FRANCISCO DE LIMA E SILVA foi um dos regentes do Império do Brasil, durante a minoridade de Dom Pedro II, e seu neto, Luis Alves de Lima e Silva, o DUQUE DE CAXIAS, é patrono do Exército Brasileiro.

JOÃO MANUEL DE LIMA E SILVA, tio de Duque de Caxias, teve seu papel de destaque com patente de general na Revolução Farroupilha, que aconteceu no Rio Grande do Sul, no século XIX. Irmão de Francisco e de João Manuel, JOSÉ JOAQUIM (que possui o mesmo nome de seu pai), foi combatente nas guerras brasileiras de independência e liderou a libertação da província da Bahia, último estado brasileiro a ser libertado dos portugueses. Possuía o título de Visconde de Magé e é o quinto avô de Rafael e Tony.

EDUARDO DE LIMA E SILVA HOERHANN, bisavô dos irmãos Rafael e Tony, foi personagem da história catarinense e liderou a equipe responsável pela cessão da violência física entre colonos europeus e os Laklãnõ/Xokleng em 1914. Este grupo indígena era frequentemente atacado pelos colonos e por tal motivo se tornou hostil e incomunicável até sua inserção na sociedade regional, promovida pelo Serviço de Proteção aos Índios. Eduardo Hoerhann serviu nesta instituição federal por mais de 40 anos, pela qual promoveu a nacionalização desta etnia e conseguiu para eles em 1926, a primeira demarcação de terra indígena no país.

O pai de Eduardo, MIGUEL HOERHANN, foi instrutor de artilharia do império austro-húngaro, professor de esgrima de baioneta, esgrima de salão, e ginástica sueca no Estado do Maranhão e posteriormente, no Rio de Janeiro. A ginástica era voltada para o treinamento militar dos novos cadetes e oficiais da Marinha Brasileira. Miguel tem vasta produção de artigos em periódicos e é autor do livro A Esgrima de Baioneta, publicado no Maranhão, em 1904. O livro digitalizado está disponível no endereço eletrônico: A Esgrima de Baioneta – por Miguel Hoerhann